Até 10 de Fevereiro poderá visitar, na Boutique Vacheron Constantin, em Lisboa, a exposição “A Vacheron Constantin e os relógios desportivos”, que narra a história dos modelos desportivos da marca e dos instrumentos de precisão que os precederam.

Famosa pela sua mestria no campo das grandes complicações relojoeiras, a Vacheron Constantin também se distinguiu no campo da cronometria e dos instrumentos de precisão desde muito cedo, com o desenvolvimento de modelos perfeitamente adaptados às necessidades de cientistas e exploradores. Estes relógios de bolso, produzidos desde a década de 1850 até ao início do século XX, eram muito apreciados pela sua fiabilidade e precisão. Distinguidos com inúmeros prémios atribuídos em concursos de cronometria, despertaram o interesse de diversas forças militares como instrumentos que conjugavam a cronometria de precisão e uma extraordinária robustez.

O aparecimento do relógio de pulso no início do século XX abriu a oportunidade à Vacheron Constantin de mostrar os seus conhecimentos técnicos na produção de cronógrafos, que se tornaram peças de referência nos círculos desportivos. A longo das décadas, estes modelos especializados na medição de curtos períodos de tempo, demonstraram constantemente a sua capacidade de adaptação às exigências da vida contemporânea, nas quais o desporto e as viagens ocupam um lugar cada vez mais importante. Um exemplo perfeito é o modelo Turnograph Referência 6782, da década de 1950, geralmente reconhecido como o primeiro relógio desportivo de uma prestigiada Maison relojoeira.

Em 1977, a Vacheron Constantin celebrou o 222º aniversário com um relógio que marcou firmemente a sua presença no mundo dos relógios desportivos: o “222”, cuja elegância inspirou a colecção Overseas. Clássico em termos de “motorização”, visto estar equipado com um movimento extraplano de carga automática, derrubou todos os cânones com uma silhueta esbelta, porém robusta, realçada por uma luneta canelada e uma bracelete integrada. Em 1996, o Overseas materializou a visão da Maison sobre o mundo desportivo. Esta linha dedicada às viagens e às descobertas representa o espírito pioneiro da Vacheron Constantin.

Para ilustrar esta tradição de relógios de precisão e modelos desportivos produzidos pela Vacheron Constantin desde a década de 1940, a Maison recorreu ao seu vasto património, constituído por mais de 1300 peças, para seleccionar as mais representativas dos diferentes períodos e tendências. Os relógios seleccionados, agora expostos na Boutique Vacheron Constantin de Lisboa, permitem obter uma visão geral desta saga épica, bem como aprofundar conhecimentos, através de Qrcodes com mais informação.

Cronómetro de bolso em prata – 1944

Para satisfazer as exigências de cientistas, exploradores, desportistas, bem como de observatórios astronómicos, a Maison tem vindo a apresentar relógios de bolso fiáveis e precisos desde o século XIX, com os quais obteve numerosos galardões em competições de cronometria. Este modelo em prata, com pequeno ponteiro dos segundos e indicação de reserva de marcha, é um exemplo perfeito dessa perícia e experiência. Um cronómetro certificado e perfeitamente legível graças ao seu diâmetro de 60 mm, equipado com o Calibre 162, que dispõe de um pêndulo bimetálico Guillaume (latão e liga de aço e níquel) para compensar as variações de temperatura que podiam afectar o bom funcionamento do regulador. Charles-Edouard Guillaume, que inventou esta liga em 1897, recebeu o Prémio Nobel da Física em 1920.

“Chronomètre Royal” de carga automática em aço inoxidável – 1976

Apresentado em 1975 e produzido até 1977, este Chronomètre Royal de carga automática marcou uma fase de transição na Vacheron Constantin. A elegância dos seus cronómetros, perfeitamente plasmada no lendário “Batman”, Referência 6694, assinalava uma evolução para modelos mais desportivos, com braceletes metálicas integradas. Durante grande parte do século XX, a Vacheron Constantin reservou o nome “Chronomètre Royal” para os seus modelos mais emblemáticos. Esta referência 2215, com todos os seus exemplares numerados, é claramente uma destas peças emblemáticas, tendo sido apresentada inicialmente em ouro amarelo ou aço, um metal que surgia pela primeira vez nesta categoria dos cronómetros da Maison. Este relógio, com a sua caixa de formas perfiladas, espelha o estilo informal da década de 1970, realçado pelos três diamantes corte baguete que decoram o mostrador e servem como marcadores horários. Este modelo de cronómetro certificado é accionado pelo calibre de carga automática 1096, com funções de data instantânea e paragem de segundos.

Relógio em ouro amarelo “222” com bracelete integrada – 1981

Por ocasião da celebração do 222º aniversário, em 1977, a Vacheron Constantin apresentou o “222”, um relógio com bracelete integrado, criado pelo jovem designer Jörg Hysek, com a Cruz de Malta gravada na lateral da caixa. É um dos modelos mais reconhecíveis da Vacheron Constantin, com a caixa monobloco e a luneta protectora do tipo escotilha, aparafusada directamente ao fundo da caixa para garantir uma estanqueidade até uma profundidade de 120 metros. Accionada pelo calibre de carga automática 1124, a versão em ouro amarelo de 35 mm de diâmetro, com o mostrador cinza-antracite, produzida em 1981, apresenta o perfil mais elegante do 222. Produzido até 1985 em diferentes tamanhos e interpretações, incluindo a versão original Jumbo em aço, de 37 milímetros, o 222 é considerado um dos primeiros relógios desportivos emblemáticos da Vacheron Constantin.

Cronógrafo em ouro amarelo Phidias – 1991

No final da década de 1980, quatro anos após a cessação da produção do “222”, a Vacheron decidiu regressar à gama dos relógios desportivos com o “Phidias”, um modelo concebido por Dino Modolo. Em sintonia com o estilo dessa década, este relógio, com a bracelete arredondada integrada, apresenta um perfil muito mais elegante do que desportivo. Contudo, a colecção “Phidias” dispunha de uma enorme variedade e incorporava complicações, tais como as funções cronográficas deste modelo em ouro amarelo de 36 milímetros. A discreta natureza do mostrador, realçado por dois contadores cronográficos complementados por um pequeno ponteiro dos segundos e um indicador de data, não é afectada pela escala taquimétrica gravada na luneta. Este modelo é accionado por um calibre 1136 de carga automática.

Overseas de carga automática em aço inoxidável – 2002

O relógio Overseas, igualmente concebido por Dino Modolo, é um herdeiro directo do “222”. Neste sentido, o ano de 1996, aquando da apresentação deste modelo, foi um ano de extrema importância para a Vacheron Constantin, durante o qual se consolidou a sua presença no universo dos relógios desportivos e elegantes. Inspirado na ideia das viagens, o Overseas foi apresentado inicialmente em três tamanhos, com calibres de carga automática, antes de lançar uma interpretação cronográfica, através desta Referência 49140 em aço inoxidável, a primeira da colecção Overseas. O aspecto desportivo do relógio é realçado pelas protecções da coroa, pelos botões aparafusados do cronógrafo e pela sólida luneta que recorda o emblema da Cruz de Malta da Vacheron Constantin.

Overseas II de carga automática em aço inoxidável e titânio – 2010

O sucesso dos primeiros relógios Overseas pode ser medido pela sua longevidade. Foi necessário esperar até 2004, oito anos após o lançamento da colecção, para que surgisse a segunda geração do modelo. Nesta ocasião, o design registou uma evolução significativa, realçando o aspecto desportivo do relógio. As dimensões foram igualmente adaptadas aos critérios predominantes na década do ano 2000. Por conseguinte, o relógio Overseas II adoptou um diâmetro de 42 milímetros, numa sólida caixa constituída por três elementos unidos por 16 parafusos, que garantiam uma estanqueidade de até 150 metros. O movimento encontra-se igualmente protegido contra campos magnéticos com uma caixa em ferro macio. Em perfeita consonância com a vocação da colecção Overseas, este modelo em aço com luneta de titânio, é um relógio de viagem equipado com a função GMT, além de um indicador dia/noite e data do tipo ponteiro, bem como com a indicação de reserva de marcha, e tudo isso exibido num mostrador de cor antracite, com acabamento acetinado e efeito raio-de-sol.

A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.