Resultado do cruzamento entre algumas das mais famosas linhagens de veículos, os SUV são os companheiros ideais para quem pretende um carro para utilizar no dia-a-dia mas com que se possa aventurar por caminhos desconhecidos.

Caracterizados por uma enorme versatilidade, onde as capacidades desportivas, em estrada ou fora dela, se cruzam com as exigências de uma utilização diária, os SUV – Sport Utility Vehicles têm vindo a conquistar uma legião de fãs. Como não poderia deixar de ser, as marcas foram respondendo às crescentes solicitações com o lançamento de novos modelos e, hoje, quase que se pode falar em diferentes segmentos dentro das propostas SUV.

Uma coisa têm em comum: demarcam-se sempre dos restantes automóveis por serem multifacetados.

1. BMW

X6

Na gama superior, a BMW é uma das marcas que tem oferecido propostas interessantes a quem procura um automóvel com performances desportivas, mas com capacidade para rebocar, por exemplo, um atrelado. O modelo que melhor representa este posicionamento entre dois mundos é o X6.

O crossover associa o design de um coupé à altura mais elevada de um jipe, destacando-se, desde logo, pela estética arrojada. Com um habitáculo espaçoso, pautado pela elegância, o X6 sobressai pelo conforto. Apesar das dimensões avassaladoras, o X6 demonstra um comportamento dinâmico assinalável.

 

2. Lexus

LX

A marca de luxo da Toyota, a Lexus, combate neste segmento através do LX. O veículo de oito lugares casa a versatilidade de um SUV de luxo com as capacidades de um todo-o-terreno, sendo ideal para quem pretende um veículo para o dia-a-dia, mas que não dispensa aventurar-se por caminhos desconhecidos.

Nesse sentido, o LX dispõe de tracção integral e de uma suspensão ajustável electronicamente, oferecendo cinco modos de condução fora de estrada.

3. Porsche

Cayenne

Já com cerca de 600 mil unidades produzidas, o Porsche Cayenne tornou-se também uma referência neste segmento. Na sua segunda geração, o modelo acaba de receber um ‘restyling’, que veio conferir uma imagem mais acutilante às secções traseira e dianteira.

As novidades são mais notórias à frente, onde os guarda-lamas e o capot têm um desenho novo. As laterais dianteiras receberam ‘airblades’, pequenas aletas que guiam o ar para permitir um melhor arrefecimento. Uma alteração que, para além de conferir uma maior agressividade ao modelo, cumpre um objetivo a nível mecânico.

Até porque, por baixo do capot pode esconder-se o alucinante motor de 4,8 litros, um oito cilindros biturbo, com 520 cv às 6.000 rpm e um binário máximo de 750 Nm, entre as 2.250 e às 4.000 rpm.

4. Range Rover

Autobiography

A Land Rover investiu também na redefinição do icónico Range Rover para torná-lo ainda mais desportivo e requintado. A nova versão, denominada Autobiography, ostenta elementos mais vistosos, como a imponente grelha cromada na secção dianteira, as jantes de liga leve de 21 polegadas e dez raios com acabamento diamante. Abrilhantado por um tecto solar panorâmico, o habitáculo enche-se de luz para acolher os passageiros.

O ambiente é luxuoso, muito graças aos estofos em pele, ajustáveis em 12 posições, ao extraordinário sistema de som Meridian e à dotação tecnológica. Mas, acima de tudo, a versão ‘premium’ do Range Rover, destaca-se pela performance.

O Autobiography acolhe um bloco V8 sobrealimentado de 5.0 litros, com 510 cv e um binário máximo de 625 Nm, disponível entre as 2500 e as 5500 rpm.

https://youtu.be/62ZfR6dMKWg

5. Cadillac

Escalade

Dos Estados Unidos chega o Cadillac Escalade. Habitualmente alvo de trabalhos de personalização que o tornam ainda mais distinto é um dos veículos mais populares entre as estrelas americanas do desporto, da música e do cinema.

A mais recente versão partilha a plataforma com os seus congéneres da restante família da General Motors, nomeadamente com os Chevrolet Tahoe e Suburban e com o GMC Yukon. Demarca-se deles pelo design robusto, pela dotação tecnológica, pelo requinte dos materiais utilizados e pelo equipamento disponibilizado. No habitáculo, onde existem três filas de bancos, o painel de instrumentos foi substituído por um monitor LCD de 12,3 polegadas, configurável entre quatro temas, e há informações que são projectadas no pára-brisas.

Equipado com um completo sistema de áudio da marca Bose, conta ainda com um ecrã táctil de oito polegadas e função de aproximação. Detalhes que prometem manter os passageiros entretidos enquanto o condutor desfruta do bloco V8 a gasolina, de 6,2 litros e com uma potência de 420 cv.

6. Mercedes

G65 AMG

Mas se o objetivo for mesmo as aventuras fora de estrada, a melhor opção poderá ser o Mercedes G65 AMG. Conhecido como um dos últimos “puros e duros” todo-o-terreno, está equipado com o imponente motor do SL65 AMG, um V12 Biturbo de seis litros, com 612 cv e um impressionante binário máximo de 1000 Nm. O bloco aparece associado à transmissão automática AMG Speedshift Plus 7G-Tronic de sete velocidades.

E, para além de mostrar competência para fazer o G65 AMG ultrapassar qualquer obstáculo, viabiliza uma performance notável em estrada, uma vez que realiza a prova de aceleração dos 0 aos 100 km/h em apenas 5,3 segundos e alcança uma velocidade máxima de 230 km/h, limitada electronicamente.

Exclusivos e requintados, qualquer um destes modelos é uma interpretação luxuosa do que de melhor existe no cruzamento de linhagens de automóveis.

Leia mais na edição impressa da Turbilhão.

 

Apaixonada por automóveis e em demanda de emoções fortes, no momento de escolher uma vertente do jornalismo, Andreia Amaral não teve dúvidas de que escrever sobre carros seria o que a faria feliz. Ao longo da sua carreira, trabalhou para diversas publicações do sector. Ecléctica em interesses, hoje, divide o seu tempo entre dois amores: os motores e a Economia. Para além de colaborar com diversas revistas, é editora da Turbo Oficina e do Guia Empresarial (suplemento do JN).