Na data em que celebra o 60.º aniversário da viagem a bordo da nave espacial Aurora 7, o icónico Breitling Navitimer Cosmonaute regressa às luzes da ribalta, numa edição limitada que presta tributo ao modelo original.

A 24 de Maio de 1962, a Breitling reivindicou oficialmente o título de “primeiro relógio de pulso suíço no espaço” depois de o astronauta Scott Carpenter ter orbitado a Terra três vezes com o Navitimer Cosmonaute no pulso, durante a missão Mercury-Atlas 7. O relógio tinha sido um pedido pessoal de Carpenter, uma variação do emblemático relógio para pilotos, Navitimer, mas com um mostrador de 24 horas, para distinguir o dia da noite no espaço.

Agora, para celebrar o 60.º aniversário dessa missão, a Breitling revela, pela primeira vez, o Navitimer Cosmonaute que Carpenter usou no espaço, ao mesmo tempo que apresenta um relógio de edição especial, limitado a 362 exemplares numerados, que distinguem as três órbitas da Terra da nave espacial e o ano em que a missão fez história.

Cosmonaute de 1962 e a edição de 2022

O Cosmonaute é um verdadeiro Navitimer, o que significa que possui todos os traços característicos do ícone da aviação da Breitling: a régua de cálculo circular para a realização de cálculos matemáticos, o logótipo alado da Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves e o trio de contadores de cronógrafo. O que separa o Cosmonaute dos Navitimer “convencionais” é o mostrador de 24 horas.

Num primeiro olhar, o novo Cosmonaute é uma fiel reprodução do original, com mostrador preto e uma bracelete em pele de crocodilo preta ou em aço de sete fileiras. Contudo, um olhar mais atento revela novas características, como a luneta em platina, ou o fundo de caixa em vidro de safira, que permite contemplar o movimento de manufactura B02 e as suas gravações especiais na ponte, desenhadas para assinalar a ocasião: as palavras “Carpenter”, “Aurora 7” e “3 orbits around the Earth”, juntamente com o nome do grupo original composto por sete astronautas seleccionados para os primeiros voos espaciais tripulados da NASA, “Mercury 7”.

O novo Cosmonaute presta, assim, homenagem à estética do modelo original, com actualizações subtis que lhe conferem um carácter retro moderno. Como tributo final, o fundo de caixa apresenta ainda uma gravação com a data da missão de Carpenter, o número do relógio (de entre os 362) e a frase “First Swiss wristwatch in space” (O primeiro relógio de pulso suíço no espaço).

A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.