O vinho português encontra a Norte um dos seus melhores embaixadores, e não passa indiferente nem ao palato mais inusitado. Mas nem só de provas se faz o vinho. A rede Great Wine Capitals, onde a cidade do Porto está presente desde 1999, premeia serviços e experiências que celebram a inovação e a excelência no enoturismo.

São dez cidades e, em comum, têm as suas regiões vinícolas reconhecidas além-fronteiras. Em conjunto, formam a Rede de Capitais de Grandes Vinhedos, fundada em 1999, para promover a troca de experiências e de recursos. Da Europa fazem-se chegar, imponentes, Alemanha, Espanha, França, Portugal e Suíça. De longe chega a Austrália, e os países do continente americano, Argentina, Chile e Estados Unidos fecham a lista de integrantes. É assim que nasce um “mundo de excelência”.

O Porto é uma das Great Wine Capitals e são vários (e de peso) os motivos que justificam a sua presença na rede. Se por um lado congrega a primeira Região Demarcada e Reconhecida do Mundo, por outro também a Região Demarcada dos Vinhos Verdes – a maior de Portugal – reforça a sua posição, condições que fazem do Porto a única cidade onde se podem encontrar três tipologias de vinhos: Porto, Douro e Verdes. A Invicta é, por tudo isto, um destino sem igual, que se distingue dos demais, pela vasta experiência vínica que oferece.

CASA DO RIO
Global Winner 2018
Architecture and Landscape

O Best of Wine Tourism é uma das iniciativas desenvolvidas pela Rede, que tem por objectivo distinguir os agentes turísticos de cada cidade-membro, que se destaquem na promoção do Enoturismo, nas sete categorias a concurso: Alojamento, Restaurantes Vínicos, Arquitectura e Paisagem, Arte e Cultura, Experiências Inovadoras de Enoturismo, Serviços de Enoturismo e ainda Práticas Sustentáveis em Enoturismo. Mais do que o reconhecimento, o Best of Wine Tourism é um bom pretexto para que a indústria se reinvente, já que o vinho é o ponto de partida que não se esgota apenas numa experiência gustativa. O seu potencial vai mais longe e a arquitectura, a paisagem, a gastronomia, a arte e a cultura são dimensões que o valorizam e que dão vida à oferta de Enoturismo, território premium que o Norte tem vindo a capitalizar.

Quanto aos prémios, vão chegando ao Porto, ano após ano. Chegam pelo reconhecimento justo e merecido daquilo que de melhor o Douro e Norte têm feito ao serviço do nobre néctar e ao serviço de uma região que, preservando as suas memórias e o seu património, não se cansa de olhar o futuro. De Vila Nova de Gaia a Ponte de Lima, passando inevitavelmente por Sabrosa, Celorico de Basto e pelo Pinhão, os galardões vão-se multiplicando e, em não raros casos, vão-se acumulando, como é o caso do Monverde Wine Experience Hotel, em Amarante, que, para além de ter sido considerado Global Winner em 2016, na categoria de Arquitectura e Paisagem, foi também coroado Regional Winner em 2017, na categoria de Alojamento, e em 2018, pelas Práticas Sustentáveis em Enoturismo.

MONVERDE
Global Winner 2016
Architecture and Landscape

O The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, em Lamego, é também veterano nestas andanças. Desde 2015, e durante três anos consecutivos, foi eleito Regional Winner pelo Alojamento, pela Experiência Inovadora de Enoturismo e, em 2017, pelo seu Restaurante Vínico. O mais recente Global Winner é a Casa do Rio, uma extensão do Wine Hotel Quinta do Vallado, em Vila Nova de Foz Côa, que, outrora, tinha já sido nomeado Regional Winner pelas Práticas Sustentáveis. Desta vez, a sua arquitectura e a paisagem envolvente não deixaram ninguém indiferente e valeram-lhe este reconhecimento.

Mas muitos mais são os restaurantes, hotéis, museus, quintas e caves que vão perpetuando as raízes do vinho e que vão construindo a história do Enoturismo. São espaços reconhecidos pelo compromisso assumido em prol do prestígio das regiões vinícolas, que fazem do Porto, indubitavelmente, uma das Great Wine Capitals.