O que acontece quando Olivia Palermo se encontra com Piaget? Uma explosão de cores vibrantes e intensas que resulta numa colecção de jóias com uma generosa dose de elegância, que revela a essência cativante da mulher Piaget.

Olivia Palermo é aquela mulher especial. Ela gira e o mundo é seu. Com uma única volta do anel giratório Possession, e confiante nas suas escolhas, toma as rédeas da sua vida e conquista o mun­do à sua volta. Fiel ao estilo effortless que lhe valeu o status de influenciadora global de moda, Olivia Palermo coloca o seu cunho distintivo em tudo o que faz e encarna a vitalidade da Pos­sesão na nova colecção de Piaget – a segunda que cria em colaboração com a marca. Atra­vés de seis filmes publicitários, Olivia Palermo revela-se em seis situações distintas, num mundo dominado pelas cores de Possession. Em duas das cenas, surge ao lado do marido, o fotógrafo Johannes Huebl, que captou também o seu estilo numa série de fotogra­fias exclusivas.

 

O que a levou a trabalhar, pela segunda vez, com Piaget?

Adorei a primeira colecção e gostei muito de trabalhar com a equipa. Acho que esta nova colecção está maravilhosa e é muito fácil de usar. Adoro, especialmente, que tenha sido incorporada cor, porque é algo com o qual me identifico. Gosto muito de ter cor na minha vida e é um factor importante quando me arranjo. Por isso, achei fantástica a oportunidade de voltar a trabalhar com a Piaget.

Qual é a sua cor preferida nas novas peças da colecção?

Gosto imenso da série Turquesa, porque é uma cor que sempre adorei desde pequena. Faz-me lembrar a praia em Santa Fe.

 

No centro da campanha da colecção Possession está um filme publi­citário do qual é protagonista. Quer falar-nos do conceito do filme?

A história do filme é muito romântica e tem uma certa magia. Foi óptimo trabalhar com Johannes. Também gostei do facto de cada história estar relacionada com uma cor, até porque cada mulher tem a sua cor preferi­da, por isso, o que fizemos foi tentar agradar a todas.

Quais são as primeiras palavras que lhe vêm à mente para cada uma das seis cores presentes na colecção?

Vermelho: sapatos de salto Valentino dos anos 60, unhas da minha co­lecção Olivia Palermo com Ciaté, amor. Azul: o meu marido, uniforme da escola. Turquesa: Santa Fe, oceano, Piaget. Verde: zona rural inglesa, exército, flores. Dourado: o meu tom preferido, chique, bom gosto. E finalmente, preto: Nova Iorque, clássico.

 

Diariamente, como acrescenta cor à sua vida?

Há tantas formas de acrescentarmos cor à nossa vida. Seja no interior dos apartamentos, seja na forma de vestir… É impressionante a felicidade que a cor pode trazer à nossa vida!

 

Quais são os seus conselhos essenciais para adicionar cor no outfit?

É sempre bom incorporar cor nos outfits. Às vezes podemos começar com um acessório e desenvolver o resto do look a partir daí, mas é im­portante ter em conta o ambiente para o qual no estamos a vestir. É algo muito divertido e deve­-se brincar com isso: coloquem-se em frente do espelho, experimentem e de certeza que vão ter uma surpresa agradável. Pode acontecer que se depararem com combinações de cores im­prováveis, que acabam por resultar muito bem.

“Gira e o mundo é seu” é o lema da colecção Possession. No seu caso, onde encontra a confiança e a energia para assumir diferen­tes papéis enquanto mulher?

Acho que as mulheres deviam apoiar-se mais umas às outras e proporcionar-se, mutuamen­te, uma maior estabilidade. No filme publicitário, mostramos as diversas formas de usar a co­lecção Possession e como esta pode transmitir confiança à mulher que a usa. Por exemplo, eu faço imensas coisas diferentes, mas todas elas acabam por estar relacionadas, e essa confiança pode vir de qualquer lado, seja de jóias, penteados, unhas… São esses detalhes que podem dar às mulheres um reforço extra de confiança. E isto é algo que eu considero muito importante.

Texto deCompanhia das Cores
PARTILHAR
A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.