O vinho português encontra a Norte um dos seus melhores embaixadores, e não passa indiferente nem ao palato mais inusitado. Mas nem só de provas se faz o vinho. A rede Great Wine Capitals, onde a cidade do Porto está presente desde 1999, premeia serviços e experiências que celebram a inovação e a excelência no enoturismo.

São dez cidades e, em comum, têm as suas regiões vinícolas reconhecidas além-fronteiras. Em conjunto, formam a Rede de Capitais de Grandes Vinhedos, fundada em 1999, para promover a troca de experiências e de recursos. Da Europa fazem-se chegar, imponentes, Alemanha, Espanha, França, Portugal e Suíça. De longe chega a Austrália, e os países do continente americano, Argentina, Chile e Estados Unidos fecham a lista de integrantes. É assim que nasce um “mundo de excelência”.

O Porto é uma das Great Wine Capitals e são vários (e de peso) os motivos que justificam a sua presença na rede. Se por um lado congrega a primeira Região Demarcada e Reconhecida do Mundo, por outro também a Região Demarcada dos Vinhos Verdes – a maior de Portugal – reforça a sua posição, condições que fazem do Porto a única cidade onde se podem encontrar três tipologias de vinhos: Porto, Douro e Verdes. A Invicta é, por tudo isto, um destino sem igual, que se distingue dos demais, pela vasta experiência vínica que oferece.

CASA DO RIO
Global Winner 2018
Architecture and Landscape

O Best of Wine Tourism é uma das iniciativas desenvolvidas pela Rede, que tem por objectivo distinguir os agentes turísticos de cada cidade-membro, que se destaquem na promoção do Enoturismo, nas sete categorias a concurso: Alojamento, Restaurantes Vínicos, Arquitectura e Paisagem, Arte e Cultura, Experiências Inovadoras de Enoturismo, Serviços de Enoturismo e ainda Práticas Sustentáveis em Enoturismo. Mais do que o reconhecimento, o Best of Wine Tourism é um bom pretexto para que a indústria se reinvente, já que o vinho é o ponto de partida que não se esgota apenas numa experiência gustativa. O seu potencial vai mais longe e a arquitectura, a paisagem, a gastronomia, a arte e a cultura são dimensões que o valorizam e que dão vida à oferta de Enoturismo, território premium que o Norte tem vindo a capitalizar.

Quanto aos prémios, vão chegando ao Porto, ano após ano. Chegam pelo reconhecimento justo e merecido daquilo que de melhor o Douro e Norte têm feito ao serviço do nobre néctar e ao serviço de uma região que, preservando as suas memórias e o seu património, não se cansa de olhar o futuro. De Vila Nova de Gaia a Ponte de Lima, passando inevitavelmente por Sabrosa, Celorico de Basto e pelo Pinhão, os galardões vão-se multiplicando e, em não raros casos, vão-se acumulando, como é o caso do Monverde Wine Experience Hotel, em Amarante, que, para além de ter sido considerado Global Winner em 2016, na categoria de Arquitectura e Paisagem, foi também coroado Regional Winner em 2017, na categoria de Alojamento, e em 2018, pelas Práticas Sustentáveis em Enoturismo.

MONVERDE
Global Winner 2016
Architecture and Landscape

O The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, em Lamego, é também veterano nestas andanças. Desde 2015, e durante três anos consecutivos, foi eleito Regional Winner pelo Alojamento, pela Experiência Inovadora de Enoturismo e, em 2017, pelo seu Restaurante Vínico. O mais recente Global Winner é a Casa do Rio, uma extensão do Wine Hotel Quinta do Vallado, em Vila Nova de Foz Côa, que, outrora, tinha já sido nomeado Regional Winner pelas Práticas Sustentáveis. Desta vez, a sua arquitectura e a paisagem envolvente não deixaram ninguém indiferente e valeram-lhe este reconhecimento.

Mas muitos mais são os restaurantes, hotéis, museus, quintas e caves que vão perpetuando as raízes do vinho e que vão construindo a história do Enoturismo. São espaços reconhecidos pelo compromisso assumido em prol do prestígio das regiões vinícolas, que fazem do Porto, indubitavelmente, uma das Great Wine Capitals.

Texto deCompanhia das Cores
PARTILHAR
A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.