Se nunca se aventurou numas férias em alto mar, esta poderá ser uma oportunidade de entrar em grande estilo no mundo dos cruzeiros. Companhia de bandeira francesa, a Ponant realiza expedições aos quatro cantos do mundo, levando os seus passageiros a conhecer locais maravilhosos, com um certo savoir-faire gaulês que faz a diferença…

Se para si falar em cruzeiros é sinónimo de falar em grandes cidades flutuantes com capacidade para 5000 pessoas, várias piscinas e turnos de refeições, então precisa mesmo de ler este texto e refrescar as ideias. Sem qualquer desejo de entrar para o Guiness, a Ponant é uma companhia de cruzeiros à escala humana, em que o que mais importa é a paixão pelo mar, partilhada por tripulação e passageiros. Fundada em 1988 com o objectivo de encarnar e dar a conhecer ao mundo o espírito da tradição francesa, é uma pequena empresa detentora de apenas quatro “navios-boutique” e um grande veleiro de três mastros, o que lhe permite visitar locais e atracar em portos onde só embarcações de pequena dimensão podem chegar.

A Ponant refere-se à sua frota como “iates de luxo”. E, na verdade, os seus quatro navios são impressionantes, superestruturas robustas ao estilo dos grandes navios expedicionários, mas que atingem padrões de qualidade, personalidade e intimidade normalmente apenas aplicados a iates particulares. Ou seja, em vez de meros cruzeiros, talvez devêssemos falar aqui de “Yacht Cruising”.

Le Soléal, Le Boréal e L’Austral são navios intimistas, para apenas 264 passageiros; Le Lyrial, o quarto e mais recente navio da frota, tem capacidade para 244; enquanto Le Ponant, o charmoso veleiro, transporta apenas 64 passageiros, tendo-se especializado em portos escondidos de destinos muito populares como as Caraíbas e o Mediterrâneo (sendo muitas vezes alugado na totalidade por particulares). Todos, sem excepção, têm linhas (exteriores e interiores) sóbrias e elegantes, e encarnam uma atmosfera única, uma subtil aliança entre luxo, conforto e bem-estar que faz parte da assinatura da companhia. Com áreas que variam entre os 18 e os 54 metros quadrados, as cabines e suites são flexíveis e muito funcionais. Os seus interiores são modernos, elegantes e algo minimalistas, decorados em tons sóbrios – bege, cinza, chocolate ou azul e branco – pelo designer francês Jean-Philippe Nuel.

Além da decoração de extremo bom-gosto, a bandeira francesa reflecte-se num serviço discreto e personalizado, onde a atenção aos pequenos detalhes é uma constante (as suites do deck 6, por exemplo, têm direito a mordomo). A atmosfera é sofisticada, mas também acolhedora, a pensar em passageiros habituados a viajar pelo mundo, e para quem as emoções, a descoberta e a busca pela autenticidade são prioridade absoluta.

COMPARTILHAR
Jornalista Viciada em hotéis, Catarina Palma está sempre a par das últimas novidades da hotelaria mundial. Começou a trabalhar no jornal PÚBLICO, mas foi a escrever sobre viagens que descobriu a sua verdadeira paixão. “Quem quer escrever sobre políticos, quando pode escrever sobre o melhor do mundo?” Directora da Rotas & Destinos durante mais de 10 anos, revista de viagens que deixou saudades, coordena actualmente o projecto Lisbon Shopping Destination e escreve sobre temas de luxo e lifestyle para diversas publicações, como a TURBILHÃO.