Depois do sucesso da época passada, Francisco Guedes e Filipe Barreiros continuam a acelerar com as cores lusas na escuderia AF Corsa, mas agora com desafios acrescidos. Apoiados pela Ferrari Portugal, em 2013, além de participar no Ferrari Challenge Europe, a dupla de pilotos portugueses compete também no Blancpain Series.

DSC_6648_732

Qual a importância de haver uma equipa Ferrari portuguesa no circuito internacional?

Penso que mostra que a marca em Portugal está bastante activa e que acredita em projectos automobilísticos internacionais, desde que bem idealizados e que representem retorno para a marca e para o país.

 

E para os pilotos, o que significa integrar a equipa?

Para nós portugueses é uma enorme honra e uma grande responsabilidade estar integrados numa equipa com esta dimensão e projecção no automobilismo mundial.

DSC_6691_732x458

Que balanço faz da experiência do ano passado?

O balanço é muito positivo. Foi um ano em que nos dedicámos a trabalhar muito com a equipa para evoluirmos o mais rápido possível, tanto ao nível de conhecimento do carro como dos circuitos. Para nós tudo era novidade. Mas penso que no final até superámos os nossos objectivos, conseguindo alcançar o pódio por 5 vezes, tendo vencido duas corridas.

 

Em que sentido pensa que essa experiência vos pode agora ajudar este ano?

Essencialmente a encarar as provas com maior à-vontade, mas estamos sempre a aprender e a evoluir…

 

Este ano, além do Ferrari Challenge Europa – Coppa Shell, competem também no Blancpain Endurance Series. Como surgiu esta oportunidade de alargar o leque de competições internacionais?

Foi um desafio inicialmente proposto pela nossa equipa Ferrari, por saberem da nossa ligação à marca Blancpain, através do nosso patrocinador Boutique dos Relógios Plus.

 

A dificuldade de gestão do tempo aumentou? E o sentido de responsabilidade?

Sim, a gestão do tempo aumentou consideravelmente, mas a responsabilidade é sempre a mesma: muita!

DSC_6679_732x458

 Quais as principais diferenças que apontariam entre as duas competições?

São completamente diferentes. O Ferrari Challenge são corridas de sprint e o Blancpain é um campeonato de resistência. Enquanto na primeira temos 30 minutos para atacar ao máximo sem ter tempo nem espaço para o mínimo erro, o Blancpain, teoricamente, pode ser mais perdulário a esses pequenos erros. Por outro lado, o Blancpain obriga-nos a uma grande estratégia de corrida, de coordenação de pilotos, engenheiros e mecânicos para que nada falhe, pois são corridas de longa duração onde a troca de pilotos, paragem nas boxes para reabastecimento e troca de pneus podem definir uma corrida. A outra grande diferença é a preparação física. No Blancpain temos um esforço enorme durante muitas horas e, caso não estejamos na nossa melhor forma, isso reflecte-se imediatamente na performance.

Saiba mais na edição impressa da Turbilhão