Em 2002, um assalto forçou ao encerramento do Museu de Relojoaria e Esmaltes de Genebra. As colecções (mais de 18 mil peças) foram então reunidas com as do Museu de Arte e de História da cidade e não foram vistas durante os nove anos seguintes.

L´Horlogerie à Genève é uma exposição de algumas das melhores dessas peças, que esteve patente de 15 de Dezembro de 2011 a 29 de Abril de 2012, no Museu Rath. A exposição temporária é apenas um aperitivo para a exposição permanente que se prepara para breve, com a expansão do Museu de Arte e de História. Finalmente, e que estranho isto soa, Genebra voltará a ter um Museu de Relojoaria.

Estranho, porque falar de Genebra e do seu Cantão é falar dos primórdios da arte da medição do tempo e das artes a ela associadas, os chamados Métiers d’Art. A exposição no Rath, que teve como subtítulo “Magie des Métiers, Trésors  d’Or et d’Émail”, mostrou peças excepcionais de relojoaria, mas também um importante núcleo de pintura miniatura em esmalte, de que a chamada Escola de Genebra é considerada uma das mais importantes do mundo.

Organizada por Estelle Fallet, que desde há anos tem estudado, mantido e acrescentado o espólio, a exposição mostrou mais de 1500 objectos, abrangendo um período que vai do século XVI à actualidade. Alguns deles nunca tinham sido mostrados em público.

São mais de 500 anos de história ininterrupta, entre relógios de sala, de mesa, de bolso ou de pulso. Mas também de caixas com pinturas em esmalte, jóias, adereços e outros objectos, demonstrando a ligação fecunda entre a arte mecânica de medir o tempo e as artes aplicadas. Aguardando um espaço definitivo, onde possam ser expostos de forma permanente.

Leia mais na edição impressa da Turbilhão.

A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.