Até 13 de Dezembro, a Boutique Cartier de Lisboa acolhe a exposição “Diamantes Cartier: Estilo e História”. Uma mostra repleta de brilho e glamour a não perder.

Através de 13 peças icónicas que assinalam a arte joalheira da Maison, a Cartier oferece a oportunidade exclusiva de ver ao vivo algumas das jóias que compõem o seu acervo histórico e que contam um pouco a evolução da marca e das próprias artes decorativas nos últimos 168 anos.

coroa

A exposição leva-nos numa viagem ao passado, através de peças usadas pela realeza, incluindo a tiara de diamantes criada em 1910 para a Rainha Elizabete da Bélgica, o alfinete de peito em forma de rosa usado pela Princesa Margarida na coroação da irmã, a Rainha Elizabete II, em 1953, e os brincos que pertenceram à Rainha Victoria Eugenia de Espanha.

flor

O estilo grinalda do início do século 20 apresenta-se em duas peças, incluindo uma gargantilha de 1906. Já o período Art Deco, um estilo de que a Cartier foi pioneira, está representado por peças geométricas com diamantes de vários tamanhos, incluindo o sautoir criado em 1928.

gargantilha

E a exposição termina com duas peças surpreendentes: as pulseiras em diamantes e cristal de rocha produzidas por Gloria Swanson em 1930 e usadas em muitos dos seus filmes, incluindo o icónico Sunset Boulevard; e o colar em forma de cobra criado para a diva mexicana María Félix, em 1968.

Desde o início da década de 70 do século XX, a Cartier começou a juntar alguns dos objectos que criou ao longo dos tempos: jóias, relógios e acessórios preciosos têm sido reunidos para conservação, num processo que levou à fundação da Colecção Cartier, em 1983.

Hoje, o acervo inclui peças que registam grande parte dos 168 anos de história da Cartier e fornecem um relato mais amplo das evoluções nas artes decorativas e na sociedade, desde o final do século XIX.

pulseiras

Com mais de 1.500 peças – e em crescendo – a Colecção Cartier tem despertado atenções em todo o mundo. Desde a primeira grande exposição, em 1989, no Petit Palais, em Paris, a Cartier mostrou já selecções das suas peças, entre outros espaços de prestígio, no Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, no British Museum, em Londres, no Museu do Kremlin, em Moscovo, no Museu do Palácio, no interior da Cidade Proibida, em Pequim, e no Grand Palais, em Paris. Agora, o “Estilo e História” dos diamantes Cartier chega a Lisboa.

COMPARTILHAR
A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.