Mítica flexibilidade

Bulgari

268

O bracelete Tubogas é um dos mais reconhecíveis símbolos da Bulgari e, este ano, a marca coloca-o sob as luzes da ribalta ao apresentar, não só um relógio Serpenti onde este se declina em três tonalidades de ouro, mas também ao fundir, pela primeira vez, o mítico bracelete com a célebre linha Lucea.

Estávamos nos anos quarenta do século passado quando a Bulgari lançou o seu relógio feminino mais icónico: o Serpenti. Com ele, um bracelete flexível cujos elos se enrolavam ao pulso, fruto de uma nova técnica joalheira, baptizada Tubogas e que deve o seu nome à semelhança com um tubo metálico flexível.

Rapidamente consolidado como uma expressão elegante do design Bulgari, o bracelete Tubogas consegue a sua forma através de bandas de ouro ou aço enroladas à volta de um tubo de aço longo e flexível. À medida que vão sendo enroladas, os contornos arredondados das bandas entrelaçam-se para esconder a estrutura central. Tudo isto sem soldadura.

Ao longo dos anos, a Bulgari foi apresentando diversas variações desta pulseira e 2018 não é excepção. O mítico Serpenti é, assim, revisitado e apresenta-se agora com um bracelete Tubogas que encerra as três tonalidades do ouro (branco, amarelo e rosa) em três secções, dando a impressão de que cada volta da pulseira é de uma cor diferente.

2018 é ainda um ano de estreia absoluta para o bracelete Tubogas que, pela primeira vez na história da Bulgari, se funde com a caixa do Lucea, o relógio feminino mais moderno da marca. O nome Lucea deriva da palavra “luce”, que significa “luz” em italiano, e traz à memória a essência do relógio de sol, através do reflexo da luz na madrepérola e nos diamantes do mostrador. Disponível em 28 mm (quartzo) ou 33 mm (automático), o novo Lucea Tubogas

PARTILHAR
Directora/Editor in Chief | Revista Turbilhão