Acessório essencial no dress-code de qualquer mulher, a função de uma carteira vai muito além do propósito para o qual foi criada. Objecto de desejo e símbolo de estatuto, uma boa mala durará para sempre e nunca ficará fora de moda.

Nos cânones dos itens da moda, a carteira é um acessório com uma história relativamente recente, tendo-se estabelecido como um must-have “apenas” no inicio do século passado. De facto, a introdução da mala como item do guarda-roupa feminino surge na sequência das mudanças trazidas pelo final da I Guerra Mundial e crescente emancipação da mulher, para quem possuir e exibir uma carteira se tornou símbolo de independência e estatuto.

 

Deste então, as malas estabeleceram-se como um elemento obrigatório no universo feminino e rapidamente evoluíram de acessório utilitário para objecto de desejo. Na realidade, para a maioria das mulheres, a carteira é uma ferramenta multitarefas que combina as virtudes da praticabilidade e utilidade com as do estatuto: ao mesmo tempo que exibe o gosto pessoal, sugere uma certa independência e prosperidade.

O poder de uma carteira feminina na actualidade leva as marcas de luxo a trabalhar este acessório com todo o cuidado e pormenor, criando e produzindo carteiras exclusivas, com toda a atenção aos detalhes da confecção e qualidade dos materiais. A Turbilhão falou com duas destas marcas e revela, nestas páginas, o processo de concepção de duas carteiras de luxo: Loewe Mini Gate e Furla Fortuna.

 

Loewe

PARTILHAR
Directora/Editor in Chief | Revista Turbilhão