Amante do mar e da música, Lorenzo Viotti, o Maestro convidado principal da Orquestra Gulbenkian, é também um apaixonado pela arte relojoeira, paixão essa que o levou a juntar-se à família Omega como Friend of the Brand.

AS ESCOLHAS 

  1. Modelo Omega preferido

Seamaster 300M em ouro rosa, com pulseira em pele vintage, porque é, ao mesmo tempo, uma peça elegante e desportiva, além de ser intemporal e icónica.

 

  1. Um livro

As Flores do Mal, de Charles Baudelaire

 

  1. Um filme

A Vida é Bela, de Roberto Benigni

 

  1. Uma peça de teatro

Pato com Laranja,  de William Douglas-Home

 

  1. Uma música

Rosa Moreno, de João Gilberto

 

  1. Um restaurante

Arkhe, Lisboa

 

  1. Uma viagem de sonho

Arquipélago dos Açores, Portugal

 

  1. Um lugar

Na água

 

  1. Um ídolo

A minha mãe

 

  1. Um desporto

Boxe

 

  1. Uma experiência

Skydiving

 

  1. Uma memória

Fazer mergulho com o meu pai

 

  1. Não sai de casa sem …

A minha atitude positiva

Sobre Lorenzo Viotti

Natural de Lausanne, na Suíça, Lorenzo Viotti nasceu no seio de uma família de músicos de ascendência italiana e francesa. Estudou piano, canto e percussão em Lyon, tendo inicialmente sido percussionista da Filarmónica de Viena e colaborado com outras orquestras. Em simultâneo com a sua actividade como instrumentista, estudou direcção de orquestra com Georg Mark, em Viena, e com Nicolás Pasquet, no Conservatório Franz Liszt, em Weimar.

Como jovem maestro, em 2015 despertou definitivamente a atenção internacional ao vencer o Nestlé and Salzburg Festival Young Conductors Award. Em 2013 tinha já vencido o Concurso Internacional de Direcção de Cadaqués e o Concurso de Direcção MDR. Em função destes grandes sucessos, foi convidado a dirigir muitas orquestras de grande prestígio como a Orquestra do Real Concertgebouw de Amesterdão, a Filarmónica da BBC de Manchester, a Real Filarmónica de Liverpool, a Sinfónica de Tóquio, a Sinfónica de Bamberg, a Orquestra do Gewandhaus de Leipzig, a Filarmónica de Munique, a Tonkünstler Orchester, a Filarmónica de Roterdão, a Sinfónica de Gotemburgo, a Sinfónica da Rádio Nacional Dinamarquesa, a Camerata Salzburg, a ORF Radio-Symphonieorchester Wien, a Sinfónica de Viena, a Staatskapelle Dresden, a Gustav Mahler Youth Orchestra, a Royal Philharmonic Orchestra, a Filarmonica della Scala, a Staatskapelle Berlin ou a Filarmónica da Holanda, entre outras. Dirigiu pela primeira vez a Orquestra Gulbenkian em Janeiro de 2017.

Lorenzo Viotti estreou-se nos Estados Unidos da América com a Orquestra de Cleveland e no Canadá com a Sinfónica de Montreal. Em Janeiro de 2020 dirigiu a Orquestra Nacional de França em concertos em Viena e Bratislava, e no final de Fevereiro estreou-se à frente da Filarmónica de Berlim.

Com o início da temporada 2021/22, Lorenzo Viotti começou a desempenhar as novas funções de Maestro Principal da Orquestra Filarmónica da Holanda e da Ópera Nacional Holandesa, em Amesterdão. No arranque da presente temporada, dirigiu O Morcego, de Alexander von Zemlinsky e da Missa in tempore belli, de Joseph Haydn. Não obstante, tinha-se já estreado com a Ópera Nacional Holandesa mais cedo do que o esperado, em setembro de 2019, ao substituir Sir Mark Elder na dupla de récitas de ópera Pagliacci / Cavalleria rusticana. Lorenzo Viotti foi Maestro Titular da Orquestra Gulbenkian entre 2018 e 2021, ocupando actualmente o lugar de Maestro Convidado Principal.

A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.