Sabia que a Boutique dos Relógios Plus Art, na Avenida da Liberdade, encerra um Salão Breguet único? Descubra este espaço exclusivo da manufactura suíça, assim como algumas das míticas peças relojoeiras aí disponíveis.

O único Salão Breguet disponível em Portugal tem portas abertas na Avenida da Liberdade, mais propriamente dentro da Boutique dos Relógios Plus Art, e convida-o a descobrir as peças exclusivas da marca de luxo, num espaço totalmente desenhado à imagem de uma Boutique Breguet. Aqui, poderá usufruir do conceito, arquitectura e design  de um espaço próprio da manufactura suíça, bem como conhecer a história da marca e apreciar relógios que encerram as icónicas invenções do fundador da Breguet, como o turbilhão ou o parachute.

Para que possa descobrir um pouco mais acerca deste exclusivo Salão Breguet e das peças relojoeiras que disponibiliza, a Boutique dos Relógios Plus e a Breguet produziram uma série de quatro vídeos sobre relógios míticos, enquanto se fala sobre a história da marca e as invenções fundamentais para a relojoaria de Abraham-Louis Breguet.

Veja o primeiro episódio destes vídeos e saiba mais acerca dos relógios que serão apresentados nesta série.

Salão Breguet

Boutique dos Relógios Plus Art, Avenida da Liberdade 194

1. Reine de Naples

Exemplo superior da capacidade criativa de Breguet, o modelo Reine de Naples, com a sua característica caixa em forma de ovo, é objecto de uma colecção requintada, cujos modelos se revestem de diversas roupagens numa simbiose elegante entre relógio e jóia. Trata-se de um dos modelos históricos da Casa Breguet, cuja história teve inicio há mais de dois séculos.

Tudo começou quando, em 1910, a Rainha de Nápoles e irmã de Napoleão Bonaparte, Carolina Murat, colocou a Abraham-Louis Breguet uma encomenda de um relógio de pulso. A peça, identificada com o número 2639, demorou dois anos a ser concluída e entregue à sua ilustre destinatária. Nascia assim o Breguet Reine de Naples, o primeiro relógio de pulso para uma rainha (e o primeiro modelo de pulso da história) a honrar a galeria histórica de Breguet, a par de outras encomendas dirigidas ao prestigiado relojoeiro por parte de personalidades ilustres como a Rainha Maria Antonieta ou a Imperatriz Josefina.

Infelizmente, o rastro deste Reine de Naples perdeu-se e não há referência até à data em colecções particulares ou públicas. O último registo conhecido é de 1855, altura em que o relógio deu entrada nos ateliers Breguet para reparação. No entanto, graças aos arquivos da marca foi possível recuperar essa valiosa memória patrimonial, com base no registo de todas as peças que Abraham-Louis Breguet cuidou de legar à posteridade.

Por sorte, os relojoeiros da Breguet descobriram a descrição técnica de um relógio fino e oblongo, dotado de complicação repetição-minutos, com termómetro, e adornado com uma pulseira feita de fios de cabelo e ouro destinado a ser colocado em redor do pulso. Foi a partir das anotações do célebre relojoeiro que a Casa Breguet reinterpretou o histórico relógio para dar origem a uma colecção exclusivamente feminina, enriquecida com complicações mecânicas.

Assim se iniciou a colecção Rainha de Nápoles, lançada em 2002 e com desenvolvimentos aos dias de hoje. Trata-se de uma colecção autónoma, por não corresponder a uma versão de um modelo masculino, mas por possuir um conceito e desenvolvimento próprios. Trata-se, pois, de uma colecção plena de passado, exclusiva de uma clientela feminina apreciadora de peças relojoeiras.

2. Classique Tubilhão Extraplano Esqueleto

Aliando a mais emblemática de todas as invenções Breguet – o turbilhão – a uma arquitectura esqueletizada única, a marca suíça dá vida ao novo Classique Turbilhão Extraplano Esqueleto 5395. Um modelo que utiliza o calibre extrafino 581, mas despindo-o de cerca de 50 por cento do seu material.

O resultado? Uma peça do tempo cujo destaque e beleza reside precisamente no movimento automático esqueletizado com apenas 3 mm de espessura, com platina e pontes em ouro, rotor periférico, escape em silício, gaiola do turbilhão em titânio e profusas decorações.

O Classique Turbilhão Extraplano Esqueleto 5395 está disponível numa caixa de 41 mm em ouro rosa ou platina.

3. Tradition Dame

Numa estreia absoluta, a Breguet abre a sua colecção Tradition a uma peça do tempo feminina. Trata-se do Tradition Dame 7038 que, à semelhança do seu “irmão” masculino, exibe praticamente todos os componentes do movimento de ambos dos lados da platina.

Com uma caixa de 37 mm em ouro branco, com fundo em vidro de safira, este modelo afirma-se desde logo como uma peça feminina ao apresentar uma luneta engastada com 68 brilhantes, bem como um mostrador em madrepérola do Tahiti. Discretamente, às 10h, os segundos retrógrados surgem gravados no movimento.

Movido pelo calibre automático 505SR, numerado e assinado Breguet, com 50 horas de reserva de marcha e espiral em silício, o Tradition Dame 7038 é acompanhado por uma correia de pele vermelha brilhante.

O Tradition Dame está também disponível com uma caixa em ouro rosa, mostrador em madrepérola branca iridescente decorada com guilhoché ao centro e correia em pele branca brilhante. Exibindo praticamente todos os seus componentes, o Tradition Dame 7038 mantém todos os outros componentes do modelo em ouro branco, como a caixa de 37 mm emoldurada por uma luneta engastada com 68 brilhantes e a coroa encimada por um rubi sintético.

Revestido a ródio para um acabamento prateado brilhante, o movimento que dá vida ao novo modelo também se mantém.

4. Classique Chronométrie 7727

Breguet fez história com o Classique Chronometrie Ref. 7727, o primeiro relógio de pulso do mercado com escape magnético. Patenteado em Novembro de 2010, o balanço magnético do Breguet Classique 7727 é protegido por dois pequenos ímãs, cada um atrás de uma pedra final de rubi convencional. Os ímãs funcionam como uma espécie de dispositivo anti-choque: o balanço é mantido no lugar mesmo com choques leves. Apenas impactos poderosos o colocam fora de posição, mas os ímãs forçam-no a regressar ao lugar quase instantaneamente. Isso significa que as oscilações da roda do balanço são mais estáveis.

Além dos pivôs magnéticos do balanço, a Breguet também equipou o Classique Chronometrie com um escape de silicone. A roda de escape, o garfo da palete e as molas – há duas molas de balanço – são todos em silício. As espirais gémeas trabalham em direcções opostas, respirando de forma mais concêntrica e melhorando a estabilidade das oscilações.

A utilidade do material na relojoaria é bem conhecida. O silício é não magnético, leve, quase sem atrito e pode ser fabricado precisamente em grandes quantidades. O baixo coeficiente de atrito do silício permite que o movimento oscile a 10 Hz, ou 72.000 alternâncias por hora, cerca de duas vezes e meia a frequência de um movimento típico. Uma frequência mais alta significa maior inércia na roda do balanço e, consequentemente, uma cronometragem mais estável.

Apesar do movimento de alta tecnologia, o Classique Chronometrie possui um estilo típico Breguet. A caixa, disponível em ouro rosa ou branco, é fina, com lateral canelada e 41 mm de diâmetro. Seis padrões guilhoché diferentes decoram o mostrador prateado em ouro, ligeiramente descentrado.