A Omega criou um relógio resistente a campos magnéticos superiores a 1,5 tesla (15.000 gauss), uma resistência muito superior à alcançada por qualquer outro relógio e que resolve um dos problemas que têm desafiado relojoeiros através dos séculos.

O novo movimento foi introduzido numa conferência de imprensa na Cité du Temps, em Genebra. A tecnologia agora desenvolvida pela Omega conduziu ao primeiro protótipo do movimento, que foi introduzido num modelo Seamaster Aqua Terra.

Ao contrário de outros esforços para combater os efeitos do magnetismo, o movimento da Omega não depende de uma caixa protectora dentro da caixa do relógio, mas da utilização de materiais não-férreos seleccionados no próprio movimento.

Várias patentes estão pendentes para o novo movimento e a Omega espera apresentar a tecnologia na próxima Feira de Relojoaria de Basileia, em Abril. O novo movimento, o calibre Omega Co-axial 8508, deverá ser introduzido no mercado ainda este ano.

A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.