Os Jogos Olímpicos 2012 estão prestes a começar. Em Londres, que recebe as Olimpíadas pela terceira vez, ultimam-se os preparativos para uma edição dos Jogos que ficará marcada, como habitualmente, pela presença da Omega como cronometrista oficial.

Tudo começou a 30 de Julho de 1932, em Los Angeles. Pela primeira vez, o Comité Olímpico Internacional elegeu uma marca como cronometrista oficial dos Jogos Olímpicos de Verão. A Omega foi a eleita e, após a cerimónia de encerramento do mais importante certame desportivo a nível mundial, o director técnico das Olimpíadas, William M. Henry, agradeceu à Omega: “É impossível considerar o sucesso extraordinário das 10ªs Olimpíadas e as inigualáveis performances atléticas realizadas sem referenciar o imprescindível papel dos relógios Omega neste grandioso certame internacional.

Omega-Countdown-clock-now-at-500-days_732x458

Nessa noite em Capri, em pleno Mar Mediterrâneo, ele próprio a braços com tantos problemas ambientais, o Presidente da Omega, Stephen Urquhart, anunciou a um grupo de jornalistas convidados, entre eles o enviado de Turbilhão, duas parcerias que a marca relojoeira vai promover nessa área.

OLY132_Olympic-bell_732

Embora o ano de 1932 não tenha marcado o início da participação da Omega em eventos desportivos (a marca já o fazia há cerca de 30 anos), a verdade é que foi neste ano que uma única empresa teve a responsabilidade de fornecer e controlar todos os relógios em todas as provas dos Jogos Olímpicos. Esta decisão pioneira demonstrou a confiança que a Omega angariou na cronometragem de tempos desportivos a nível mundial e o sucesso desta inovação prontamente se tornou numa tradição. Desde 1932 até 2012 a Omega teve a responsabilidade de controlar os tempos desportivos em 24 edições dos Jogos Olímpicos. Londres será a 25ª.


Ad2010_732

A Omega e a cronometragem

A base principal na cronometragem desportiva é medir tempos de performances ou de atletas com a maior precisão possível, suprimindo tanto quanto possível toda a intervenção humana, passível de erros e posteriores polémicas.

A Omega tem na sua história um papel inventivo por excelência, desenvolvendo e aperfeiçoando todos os instrumentos necessários para atingir a alta precisão: dispositivos de partida, portas de partida, gatilhos electromagnéticos, armas para tiros de partida, células fotoeléctricas, câmaras photo finish, cronógrafos de quartzo, painéis tácteis para provas de natação, processamento electrónico de resultados…

A posição de liderança da marca neste domínio foi construída graças ao dinamismo e competências de uma empresa considerada sua irmã, a Lemania, que se juntou à Omega precisamente em 1932, com a sua aquisição por parte do grupo SSIH. Nos dias de hoje, a OMEGA mantém-se como líder na contagem de tempos em eventos desportivos devido à sua liderança no domínio da electrónica e cronometragem digital.

Nas provas de atletismo, as corridas têm que ser controladas com uma precisão de milésimos de segundo. A Omega dispõe de uma bateria de equipamentos electrónicos ao serviço da verdade desportiva, para que todos os tempos sejam determinados com exactidão. Na linha da meta, células foto voltaicas e câmaras digitais estão a postos para estabelecer a ordem de chegada.

Em provas tão rápidas como os 100 metros, todos os atletas podem ficar separados por menos de meio segundo e, mesmo assim, os tempos são determinados com tal exactidão que não se registam empates.

Nos Jogos Olímpicos de 2008 em Pequim, a OMEGA introduziu um novo equipamento de medida, utilizando câmaras com capacidade para tirar até 3000 fotogramas por segundo. Um verdadeiro recorde, dado que até há bem pouco tempo, por exemplo nos Jogos de Atlanta em 1996, o máximo estabelecido era de até 1000 fotogramas por segundo.


Greenwich_countdown_clock_732

Londres 2012

Em 2012, Londres vai sediar os Jogos Olímpicos pela terceira vez. A última edição do evento na capital britânica deu-se em 1948 e a Omega lá estava como cronometrista oficial. Desde os Jogos de 1948 que os tempos mudaram consideravelmente, tanto a nível atlético como a nível da cronometragem. Mesmo assim este foi um ano marcante por ter sido nesta edição que se introduziu a cronometragem automática construída em torno de células fotoeléctricas e câmaras photo finish, causando um grande impacto na época.

Mas 2012 é especial. A Omega comemora, ao mesmo tempo, a 25ª participação nos Jogos Olímpicos e o 80º aniversário desde que o fez pela primeira vez, em Los Angeles. Todos os preparativos para os Jogos de Londres estão em curso há já algum tempo. Dois relógios de contagem decrescente da Omega, um em Trafalgar Square e outro em Greenwich, assinalam o tempo que falta para o início da Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos 2012.

Para atender à necessidade crescente de dados e estatísticas oficiais, a equipa de cronometristas desportivos da manufactura relojoeira ficou enriquecida com a contratação de um número considerável de profissionais especialistas em processamento de dados. No primeiro compromisso Olímpico da Omega, em 1932, foram usados apenas 30 cronógrafos para cronometrar cada prova. Em Londres, 80 anos depois, a marca empregará mais de 450 profissionais apoiados por cerca de 400 toneladas de equipamento e por vários voluntários recrutados localmente.

Todos os Jogos Olímpicos são diferentes, há novos atletas, novos recordes e novos resultados… Mas o cronometrista oficial permanece o mesmo. Omega, sem dúvida, usando a mais alta tecnologia em Londres, assim como o fez em 24 ocasiões anteriores.

TEXTO DEGonçalo Ferreira
COMPARTILHAR
A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.