Nos últimos anos, a Cartier embarcou numa viagem que a levou a destacar-se proeminentemente no universo da alta relojoaria, trazendo a tradição relojoeira para a linha da frente.

O resultado foi a criação de relógios complicados de alto calibre que integram também materiais tecnológicos de ponta e que vieram trazer ainda mais consistência à colecção de Alta Relojoaria da Maison.

Redefinindo a sua missão no universo da alta relojoaria, a marca apostou em três eixos de desenvolvimento essenciais: o design, a reinterpretação dos clássicos e a procura de novas soluções para o problema da gravidade.

O primeiro traduz-se, por exemplo, na esqueletização de movimentos aplicados a modelos intemporais, como o Santos, enquanto o segundo encontra eco no Astroturbilhão, uma reinterpretação de um dos mais queridos clássicos da alta relojoaria: o turbilhão.

Já o terceiro eixo de desenvolvimento prende-se com a busca de novos recursos para a questão da influência da gravidade no mecanismo do relógio. Soluções essas que, na Cartier, passam, não só pelo turbilhão tradicional, mas também pelo engenhoso Astroregulador.

Leia mais na edição impressa da Turbilhão

PARTILHAR
Directora/Editor in Chief | Revista Turbilhão