A colaboração entre marcas de luxo com o objectivo de criar produtos que resultem em mais do que a simples soma das partes, é um hábito que vigora há décadas e que habitualmente produz bons resultados. A Hublot é um excelente exemplo disso, como prova o novo Classic Fusion Cronógrafo Berluti.

O lema “The Art of Fusion”, concebido por Jean Claude Biver em 2004, transformou a marca fundada por Carlo Crocco em algo ainda mais inovador e diferente. Sendo uma extensão da visão original do fundador, que misturava o ouro com a borracha, a Arte da Fusão baseia-se hoje num conceito que visa a associação improvável do relógio com materiais inovadores.

Cerâmica, tântalo, magnésio, titânio, carbono e mesmo ligas criadas expressamente para formarem esta mistura improvável em torno do conceito do relógio mecânico, contrariam a ideia de um produto conservador que, ainda hoje, se associa à relojoaria.

Mas não é só à custa de materiais exóticos que o conceito de Fusão da Hublot subsiste. A inspiração, e consequente importação de materiais de outras áreas, igualmente improváveis no campo da relojoaria, é uma outra arte que a marca tem vindo a dominar com crescente à vontade. A associação com a prestigiada Berluti, iniciada em 2016 por ocasião do 120º aniversário deste exímio produtor de sapatos baseado em Paris, é um excelente exemplo desta ideia.

A primeira linha Classic Fusion Berluti empregava a famosa pele de origem veneziana tanto na correia como no mostrador.  Desenvolvida por Olga Berluti, descendente directa do fundador Alessandro Berluti, o criador da empresa em 1895, a técnica exclusiva de curtimento das peles teve de ser desenvolvida ainda mais de maneira a poder ser aplicada ao relógio. No caso do couro destinado a forrar o mostrador, toda a humidade teve de ser retirada antes de o elemento poder ser encerrado hermeticamente sob o vidro de safira.

Passado um ano, o êxito da primeira edição encoraja a Hublot a lançar mais um modelo, desta vez um cronógrafo, subindo ainda mais a fasquia na dificuldade técnica de associar a pele da casa italiana aos mostradores da manufactura suíça. A complexidade acrescida da tarefa, devido à existência dos totalizadores do cronógrafo às 3 e às 6 horas, exigiu a criação de novos métodos de produção destinados a garantir que a pele se mantém totalmente estável.

O resultado desta evolução está à vista no novo Classic Fusion Cronógrafo Berluti, com caixa de 45 mm de diâmetro. O modelo permite a opção por dois tipos de acabamentos distintos, o Scritto King Gold e o Scritto All Black, ambos limitados a uma produção de 250 exemplares cada, e que são acompanhados por um exclusivo kit de tratamento de pele da Berluti.

PARTILHAR
Carlos escreve como freelancer para diversas publicações nacionais e internacionais sobre o tema que sempre o fascinou, a alta-relojoaria. Uma área que considera ser uma porta para um mundo muito mais vasto, multidisciplinar e abrangente - uma fonte de informação cientifica, histórica e social quase inesgotável sobre quem somos e como aqui chegamos.