Há 50 anos, Neil Armstrong e Buzz Aldrin pisavam pela primeira vez o solo lunar. A efeméride, que viria a marcar para sempre o curso da exploração espacial, trouxe ainda para a ribalta o cronógrafo que ficaria eternamente conhecido por Moonwatch: o icónico Speedmaster. Agora, meio século passado do pequeno passo que mudou a história da humanidade, a Omega apresenta um novo Speedmaster de edição limitada para celebrar a data.

50 anos passaram desde que o relógio originalmente concebido como o cronógrafo de eleição dos aficionados do automobilismo se tornou universalmente conhecido como Moonwatch, depois de ter sido a primeira peça do tempo a “pisar” a superfície lunar ao lado de Neil Armstrong e Buzz Aldrin, a 20 de Julho de 1969.

Raynald Aeschlimann – Presidente e CEO da OMEGA, com Buzz Aldrin

Para assinalar a efeméride, a Omega acaba de lançar um Speedmaster comemorativo, inspirado num modelo produzido para um jantar de homenagem aos astronautas, ocorrido em Houston, em Novembro de 1969. O Speedmaster BA145.022 foi a primeira edição numerada comemorativa da Omega, com apenas 1014 modelos produzidos entre 1969 e 1973. Os dois primeiros foram oferecidos (e recusados) ao presidente Richard Nixon e ao vice-presidente, Spiro Agnew, os seguintes 30 foram destinados a astronautas da NASA e a algumas figuras da indústria suíça, enquanto os restantes foram colocados no mercado. A título de curiosidade, os relógios oferecidos aos astronautas possuíam a inscrição “para assinalar a conquista do espaço pelo homem com tempo, através do tempo, no tempo”, enquanto nos modelos vendidos ao público se podia ler “Omega Speedmaster”, “APOLLO XI 1969” e “Ω O primeiro relógio usado na Lua”.

A nova Edição Limitada Omega Speedmaster Apollo 11 50º Aniversário apresenta grandes semelhanças de design com o seu antecessor de há 50 anos, no entanto, possui também inúmeras actualizações significativas. O novo modelo apresenta-se numa nova liga de ouro, denominada “Moonshine”, cujo objectivo é fazer lembrar a Lua num céu azul escuro. Mais pálida do que o ouro amarelo tradicional, a nova liga deve resistir à passagem do tempo e às manchas do contacto com o ar. Já a pulseira, no mesmo material, é praticamente uma réplica da da versão de 1969, com um fecho simples e elegante.

Um olhar mais atento ao mostrador revela a inscrição “Au750”, o que significa que a face do relógio é também em ouro sólido, tal como o antecessor, mas agora ouro Moonshine. Ainda à semelhança do modelo de 1969, também a edição comemorativa apresenta índices em ónix, o antigo logotipo Omega no mostrador, coroa e fecho e a luneta cor de vinho, que agora surge em cerâmica com numerais em Ceragold.

PARTILHAR
Directora/Editor in Chief | Revista Turbilhão